Blog

Do vento à chuva

Meu nome é Amitha e tenho 14 anos. Uma mulher que conheço desde muito pequena hoje veio me contar algumas histórias. Eu também a contei muita coisa. Consegui abrir meu coração e confessar o que estava sentindo.  Meu pai faleceu há um pouco mais de um ano e, apesar de parecer bem, ainda estava lutando para aceitar essa perda. 

 

A verdade é que eu sentia uma solidão esmagadora. Odiava estar na companhia dos meus amigos ou até de outros membros da família. Eu me sentia como o vento, que ninguém pode ver.

 

Uma das histórias que essa mulher me contou era sobre uma ovelha que se perdia de seu dono, mas ele deixava todas as outras para encontrá-la. Ouvindo essa história, tive uma sensação de conforto e libertação. Entendi que, mesmo sem meu pai aqui, não preciso mais me sentir sozinha, tenho um Pai que pode cuidar de mim e renovar meu coração e minhas forças. Jesus está me protegendo e cuidando de mim. 

 

Nem mesmo essa mulher, que me conhecia há tanto tempo, sabia que eu estava tão triste e sofrendo tanto. Mas, mesmo sem antes saber como eu me sentia, ela pode, usando as histórias da Bolsa Verde, ser um instrumento de Deus para limpar meu coração. 

 

Sinto que fizemos um verdadeiro avanço hoje. Não mais me sinto invisível como o vento, mas como uma nuvem que dá chuva, permitindo que as plantas cresçam. 


Publicação original na newsletter mensal da Lifewords – From The Streets, setembro 2014 – com colaboração de Beatriz Bastos.

*O nome da criança é um pseudônimo para proteção de sua identidade.