fbpx

Blog

Vamos brincar!

Brincar é coisa séria ou simplesmente um passa tempo? Depende de como compreendemos o brincar. Para a criança brincar é coisa séria, já para um adulto pode ser visto como uma ação de tempo livre, sem intencionalidade. Mas, lembre-se de seu tempo de criança em que você brincava. Quais os sentimentos que você experimentava? Normalmente sentimentos de liberdade e prazer.

 

As pesquisas e as práticas educacionais têm evidenciado que as atividades lúdicas, os jogos, as brincadeiras, oportunizam o desenvolvimento das aprendizagens cognitivas e socioemocionais, facilitando assim os mais variados processos de expressão, comunicação, socialização, construção do conhecimento, além do desenvolvimento psicomotor. No entanto, no espaço escolar o brincar não recebe seu valor educativo metodológico, sendo atribuído ao segundo plano, nos momentos “livres”.

 

Para melhor compreender a importância do brincar para o desenvolvimento da criança faz-se necessário entender o que é brincar. A brincadeira é a ação de brincar e para Almeida (2007 p. 26), […] é fruto da tradição cultural oral, da observação, da heterogeneidade e da diversidade de atividades oferecidas pela cultura lúdica do meio ou pela criação e representação espontânea construída a partir de necessidades naturais do ser, sejam elas biológicas (físicas), cognitivas (mentais), psicológicas (afetivas, emocionais, de atenção ou de concentração), sociais (relativas ao grupo social), lingüísticas (relacionadas à linguagem) ou culturais (afeitas às questões contextuais).

 

No que tange ao aspecto de desenvolvimento da criança, o jogo oferece contribuição em vários aspectos, Vygotsky (1984) , De Aguiar (2004), Kishimoto, (2010) e Santos (2000 abrem o leque de benefícios obtidos no ato de brincar afirmando que é brincando, jogando que a criança experimenta o poder de explorar o mundo e revela seu estado cognitivo, visual, auditivo, tátil, motor, seu modo de aprender e de entrar em relação cognitiva com o meio, os eventos, pessoas, coisas, símbolos e adquire a maior parte de seus repertórios e consequentemente seu desenvolvimento físico, cognitivos, emocionais, sociais e motoras.

 

Já o lúdico pode está presente no jogo e na brincadeira mas ele não se restringe as essas duas áreas de atividades. Ele vai além, tomando outras dimensões da vida humana que abordam a criatividade e o prazer. Partindo desse entendimento, o lúdico expõe o sentido de uma ação, de como a pessoa vai agir em relação ao objeto e com os pares no ato de manipular, criar, encaixar, experimentar, imitar, entre outras ações que tenham uma significação, de acordo com a motivação dos diferentes indivíduos.

 

A ação de brincar proporciona o desenvolvimento integral da criança devido a íntima conexão de todas as dimensões que compõem o ser humano e para melhor proveito, o brincar com intencionalidade contribue para o desenvolvimento de áreas específicas de modo que podem influenciar as demais dimensões do ser humano. Através de jogos simples empregados com intencionalidade pode-se favorecer o desenvolvimento em duas áreas importantes para a criança.

 

Desenvolvimento social: O jogo é espontâneo, motivador, universal e inerente a cada criança. O jogo potencializa a interação na medida em que possibilita novos contatos e construções colaborativas algo essencial na dinâmica de socialização. As conexões que o brincar e o jogo oportunizam, propicia a superação do egocentrismo, desenvolvendo a solidariedade e a empatia, especialmente no compartilhamento de jogos e brinquedos. Serrão, (1999,P.99) afirma: “A sociabilidade das brincadeiras e jogos permitem que se crie laços emocionais, integração produtiva e unidade de grupo.”

 

Faça uma lista de jogos sociais levando em conta os aspectos sócios culturais do contexto e incorpore na rotina da sua classe e da sua família, para o desenvolvimento das crianças que estão em volta. Surgiro uma lista sucinta a título de exemplo.

 

Jogos de representação: jogos simbólicos, dramáticos, ficção, etc

 

Jogos de imitar: imitar o andar ou pular dos animais (elefante, coelho, sapo, canguru). Imitar os meios de transportes. Brincar de: profissões (médico, dentista, bombeiro, cozinheiro etc), de casinha… utilizando o mesmo objeto (brinquedo) em situações diferentes, assim explorando o imaginário da criança. Jogos de advinhação e mímica.

 

Jogos de regras: jogo da memória, o gato e o rato, boliche e pique bandeira.

 

Jogos cooperativos: promovem as condutas pró-sociais (ajudar, cooperar, compartilhar, etc.). Esporte cooperativo: futebol, vôlei, handeball. Cabo de guerra e escravos de Jó etc.

 

Desenvolvimento psicomotor: Para LIEVRE e STAES, ( 2000, p 10 ) O homem é um ser psicomotor: cada um de seus atos testemunha a manifestação conjunta de suas funções intelectuais, emocionais e motoras. O desenvolvimento psicomotor é o desenvolvimento da criança nas áreas de: habilidades motoras, consciência de si mesmo e do próprio corpo, a relação com os outros, consciência de seu ambiente espacial e temporal e das possibilidades de adaptação a ele.

 

O desenvolvimento psicomotor é de importância primordial na prevenção de problemas de aprendizagem e na reabilitação do tônus muscular, postura, lateralidade e ritmo. Isso porque, a criança ao se desenvolver fisicamente, com a ajuda do jogo, aprende a correr, pular, saltar, se relacionar, controlar seus sentimentos no meio social de convívio. A criança, cujo desenvolvimento psicomotor é deficiente pode ter problemas de escrita, leitura, direção gráfica, distinção de letras (por exemplo, b/d), ordem de sílaba, pensamento abstrato (matemática), etc.

 

Desenvolva jogos psicomotores como: jogo de estátua, corrida de saco, pular corda, amarelinha, correr sob comando (correr rápido, correr com um pé só), corrida com obstáculo etc. Dançar variados ritmos batendo palmas, dança da cadeira, basket (lançar a bola no cesto), brincar de bambolê, fazer um percuso: andar sobre uma corda reta, atravessar o túnel, subir e descer uma escada etc.

 

Muitos são os beneficios que as atividades lúdicas, jogos e brincadeiras proporcionam ao indivíduo que as praticam. Em contrapartida há também problemas que surgem devido a falta ou pouca exploração desse domínio. Para Teles (1997,p.13) há algumas consequências em torno da falta do brincar na infância que leva a criança a desenvolver determinadas posturas como: a falsidade, a dissimulação, a agressividade, o desajustamento sexual, vícios, neuroses, falta de iniciativa, isolamento, timidez, preguiça ou lentidão, falta de criatividade.

 

No momento do jogo as crianças colaboram entre si, partilham se divertem desenvolvem atitudes de solidariedade, respeito, exercitam a imaginação, os sentidos, o corpo e constroem novos conhecimentos. Isso possibilita a formação de cada indivíduo livre de preconceito. É fundamental que o educador assuma um papel de mediador, auxiliando a criança nas atividades lúdicas para a construção de um conhecimento significativo. Então, vamos brincar!
Escrito por José Ricardo Santos – Bacharel em Teologia- FATIN, Licenciatura em Ciências da Educação Universidade Católica de Dijon, Pós graduação em Gestão e docência pela PUC-PR.


 

Referências bibliográficas
ALMEIDA, P. N. de. Língua portuguesa e ludicidade: ensinar brincando não é brincar de ensinar. São Paulo: dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP, 2007.
KYSHOMOTO, Tizuko Morchida. Brinquedo e Brincadeiras na Educação Infantil. Anais do I Seminário Nacional: Currículo Em Movimento. Belo Horizonte: Perspectivas Atuais, Nov.2010
SANTOS, Santa Marli Pires dos. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos.Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1997.
SERRÃO, M. Aprendendo a ser e a conviver. São Paulo: FTD,1999.
TELES, Maria Luiza Silveira. Socorro! É proibido brincar! Petrópolis: Vozes, 1997.
VYGOTSKY – Aprendizado e desenvolvimento Um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1998.