fbpx

Blog

TÃO PERTO, MAS TÃO LONGE.

Era uma vez um menino que ainda pequenino
Foi escolhido pra morar na casa de Deus
Mas ele não sabia que um profeta seria
Toda a Israel a ele obedeceria
Quando foi dormir, uma voz então ouviu:
Samuel, Samuel, Deus te chama lá do céu
Samuel, Samuel, sê profeta de Israel;
Samuel – Aline Barros

 
“Samuel cresceu e teve dois filhos: Joel e Abia. A semelhança do seu pai, também foram juízes em Israel. Mas eles não seguiram as mesmas pegadas de seu pai, porém se inclinaram à avareza, aceitavam suborno e perverteram o direito dos mais vulneráveis.” I Samuel 8

 

Há um hiato que perpassa toda a história de Samuel e dos seus filhos. Essa lacuna é o simples fato de que Samuel não teve infância. Desde pequeno assumiu funções sacerdotais e religiosas, o que o mantinha por demais ocupado e assoberbado. Tais atribuições o tornaram profeta, sacerdote e juiz, mas não o ensinaram a ser pai. Ele não sabia ocupar essa função.

 

A narrativa bíblica e a canção mencionada no início desse texto não revelam que tipo de relação foi construída ou não entre pai e filhos, mas quando todos os líderes de Israel se reuniram e foram conversar com Samuel, em Ramá, o que foi dito é claro: os seus filhos não seguem o seu exemplo!

 

Tanta dedicação à Deus, não impediu que Samuel tivesse filhos desonestos. Tão perto, mas tão longe dos seus filhos.

 

O dilema de Samuel reverbera em vários personagens masculinos do Antigo Testamento: a dificuldade de compreenderem que a paternidade é um ato efetivo e social.

 

Mas tenho aprendido que a paternidade é socialmente muito mais fácil do que se pode imaginar, o grande desafio para nós homens é a paternagem.

 

A paternidade engloba um homem que se tornou biologicamente pai de alguém. Já a paternagem significa um homem que decidiu dar afeto, presença e envolvimento emocional aos seus filhos/filhas (biológicos ou não), em uma busca pela participação ativa no desenvolvimento dessa criança.

 

Segundo o terapeuta Guy Corneau, “é absolutamente necessário que os homens comecem a afagar seus filhos, assim abrirão para eles a porta da sensibilidade, e ao fazê-lo, descobrirão também sua própria sensibilidade. Os homens também têm um corpo, e as pessoas têm necessidade de ser tocadas para manter seu equilíbrio e saber que existem.” Homens que não tenham medo de estabelecerem conexões mais profundas e estáveis com seus filhos/filhas.

 

Pai ausente, filho carente é o título do livro de Corneau onde o próprio autor afirma que a origem dos problemas mais comuns entre homens é a ausência física e afetiva na relação com seus filhos/filhas.

 

Por que os homens têm medo da intimidade? Por que alguns recorrem à agressividade?Por que muitos se sentem levados a assumir o papel de heróis/eternos adolescentes/ conquistadores? Estas perguntas (e as suas possíveis respostas) revelam o que pode estar oculto na história de Samuel e
os seus filhos, Joel e Abia.

 

Eu poderia aprofundar essa questão a partir dos dados da PNAD/2015 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), que revelou que, das mais de setenta milhões de família em nosso país, 42% são lideradas por mulheres, e das trinta milhões de famílias que têm mulheres como chefe, apenas um terço têm um parceiro ao seu lado. O número de lares comandados por mulheres só
aumenta a cada ano; porém, vou ficar por aqui.

 

Homens como Samuel (que não são poucos) têm um exercício hercúleo pela frente: assumirem definitivamente os seus postos em conjunto com a suas esposas, na construção afetiva e efetiva da suas paternagens.

 

Vladimir de Oliveira | Coordenador Pedagógico/Articulador Social da Casa
Semente.