Blog

O Projeto Calçada Colômbia esteve presente na “Caminata Huella de Ternura 2019”

Crianças e adolescentes estão marchando, do México até a Argentina, promovendo em cada país por onde passam um protesto contra a violência e o incentivo aos bons tratos e amor à infância. A Caminhada Pegadas de Ternura (Huellas de Ternura) teve início no dia 7 de junho de 2018 na fronteira do México com os Estados Unidos e até junho de 2019 vai chegar à Patagônia, na Argentina.  O objetivo da mobilização é denunciar as diferentes formas de violência que atingem meninos e meninas e promover um caminho que possibilite a dignidade plena da infância tão violentada. Em Bogotá se juntaram centenas de crianças, adolescentes e pais, exigindo que os adultos os tratem com respeito, amor e dignidade, como merecem. Com bexigas coloridas, cartazes e instrumentos musicais, os colombianos marcaram presença na marcha.

 

O Projeto Calçada também esteve presente, junto com outras 17 organizações inter-religiosas, pela promoção dos bons tratos. Marisol Vargas, coordenadora do Projeto Calçada na Colômbia, e outros educadores, participaram dessa caminhada, compartilhando com as crianças sobre o amor de Deus, que escutaram atentos e se divertiram brincando com o Origami.

 

No final da marcha, os participantes adultos assinaram o Pacto da Ternura, promovido pela Visão Mundial Peru, com o compromisso de não violência à infância e promoção de bons tratos, que tem os seguintes compromissos:

  1. Buscar cura para a minha própria história de violência. Procurar uma espiritualidade que me capacite a demonstrar a ternura de Jesus.
  2. Tratar as crianças e os adolescentes com a Ternura de Deus; fazer com que se sintam amados todos os dias.
  3. Não empregar nenhum castigo físico nem tratamento humilhante: elimitar toda ação violenta de insultos, gritos, chantagens e maltrato físico.
  4. Ser um(a) terno(a) mentor(a) de vida para crianças e adolescentes: dialogar com eles, escutando-os com paciência, reconhecendo suas qualidades, fortalecendo sua autoestima e confiança.
  5. Cultivar relações inter-geracionais de ternura; colocar-me no lugar das crianças e adolescentes para entender seu comportamento considerando sua idade, necessidades e emoções. Orientá-los para resolver os conflitos através do diálogo e para uma convivência sã.
  6. Reivindicar o direito ao cuidado, proteção e educação com ternura. Não ser indiferente, nem tolerante com diversas formas de violência e casos de maus tratos contra a infância.
  7. Incentivar outros para que se unam Revolução da Ternura.

 

A caminhada chegará ao Brasil em abril de 2019.