Blog

A LUTA PELO LUTO

“Chorai com os que choram…” Romanos 12.15

A pandemia que estamos enfrentando nos tem feito experimentar algo que nunca havia sequer passado pelas nossas mentes ser possível: não poder velar e sepultar os nossos mortos. Participei de dois velórios durante este tempo de isolamento social. Testemunhei a dor da perda ser sublimada pelo medo. No lugar dos abraços, acenos com a cabeça. Pela primeira vez em minha vida vi as condolências serem abafadas pela máscara higiênica.

 

Rápido, controlado e frio. Assim são os velórios em tempo de quarentena. Muito semelhante aos tempos de guerra, que ouvimos muitas vezes nossos avós nos contarem. Ouvi histórias de rasgar o coração neste tempo de enfrentamento do coronavírus. Pais que não puderam se despedir de seus filhos. Cônjuges que não conseguiram dar o último beijo. Abraços interrompidos. Declarações de amor suspensas. Luto cruel.

 
Enquanto escrevo, minha mente é invadida pelas histórias da Bíblia. Jesus chorando a morte de seu amigo de quem não pôde se despedir. Comovido pela dor de Marta e Maria. Compadecendo-se plenamente na alma. Identificando-se profundamente com o aflito. Ninguém deveria enfrentar a morte de quem ama sem a dignidade de poder se despedir. Eu sei que há várias culturas que enxergam a morte com outros olhos, mas o ocidente chora e chora muito, porque dói demais a separação de quem nos é querido. Eu sei por que já velei meus mortos. Tive liberdade para chorá-los. Tive tempo pra recordar histórias. Ouvir palavras confortadoras. E acompanhar o cortejo silencioso até o sepulcro.

 

Tempos difíceis.

 

Para você que chegou comigo até aqui e que sabe exatamente do que eu estou falando por ter vivido esta tragédia quase insuportável, meus sentimentos e meu total respeito por sua perda. Queria poder invadir sua mente e seu espírito e enchê-los de paz nesse instante. Queria ordenar à saudade que não te machucasse mais. No entanto você e eu sabemos que não posso fazer nada disso. Me cabe então sugerir. Só sugerir.

 

Viva um dia por vez. Ponha pra fora essa angústia. Um passo de cada vez. Devagar. Não tenha pressa. Lute com calma pelo teu luto que não foi permitido. Não se culpe. Não se esconda. Feche os seus olhos, respire bem fundo e concentre-se nas preciosas memórias que te trazem alegria. Então seja grato. A gratidão é a melhor de todas as despedidas. Ela pode ser percebida no olhar. Num sorriso. Num suspiro.

 

Não é uma receita. É um desejo. Uma oração. Pra que você encontre a paz que todo teu ser quase exige pra sobreviver. Jesus sabe o que é isso. Ele também chorou. E acredito que esteja chorando ao seu lado por te ver sofrer.

 

Confie sua dor a Ele. Tente.

 

Com amor, lágrimas e esperança de que seus dias sejam cheios de graça e bondade, me despeço na certeza de que Deus fará por você, por mim e por nós muito mais do que sequer imaginamos.

 

Marcos Davi Ferreira de Andrade

Casado com Andréa Andrade desde 1993, pai de Giovanna e Arthur e Davi. Formado em bacharel em teologia pelo Centro de Estudos Teológicos dos Vale do Paraíba, pós graduado em Filosofia pela Faculdade de Ciências Sociais Fênix de Brasília e mestrado em estudos bíblicos pela ABECAR em Mogi das Cruzes. Pastoreia a Igreja Batista no Jardim das Indústrias, mantenedora do Projeto Calçada e parceira em aconselhamento com a Bolsa Verde.