Blog

“Eu achava que ninguém se importava comigo, mas estava enganada.”

Meu nome é Olívia e hoje quero te contar a minha história. Eu sou de Cabo Verde, na África. Cresci numa família muito desestruturada, meus pais se separaram logo após meu nascimento e, com isso, minha mãe assumiu sozinha a criação das filhas. Ela trabalhava muito e estava sempre ausente, eu cresci com uma carência materna e paterna muito grande. Apesar de estar sempre com minhas cinco irmãs, senti um vazio imenso e, mesmo criança, eu não queria viver. Nós passávamos muitas dificuldades financeiras e muitas vezes éramos desprezadas pelos vizinhos e colegas de escola.

 

Eu morava em uma comunidade que ficava em um morro, cheio de becos e vielas. Todos os dias eu via uma mulher descendo as ruas carregando uma bolsa verde com uma flor vermelha. Aquela bolsa me chamava muita atenção, mas eu não tinha coragem de ir falar com a mulher, mesmo quando ela me olhava e sorria para mim. Até que um dia resolvi ir até ela e perguntei, branca, o que tem nessa bolsa que você não larga pra nada. Ela me explicou, com muita atenção, que para saber eu deveria ir até um projeto que ficava ali perto.

 

Eu fui pontual. Na hora exata marcada, estava lá. Aquela moça, a missionária Carmen, me contou histórias lindas e parou para me ouvir de uma forma que ninguém nunca tinha ouvido. Eu abri meu coração para contar as minhas histórias tristes e para receber calma e transformação. Quando terminamos nossa conversa, eu estava muito diferente, me sentia melhor em relação a mim mesma e aos outros, conheci Jesus. A missionária me disse que eu poderia voltar sempre que sentisse algo ruim ou precisasse conversar. Eu passei a ir naquele lugar todos os dias. Cada vez contava sobre uma dor diferente e ouvia mais sobre Deus. Foi nesses encontros que eu entendi o amor Dele por mim, foi um processo de cura, me livrando de todo sentimento de abandono, complexo de inferioridade e falta de confiança. Desde o primeiro dia, quando ouvi as histórias com aquelas figuras bonitas, passei a confiar em Deus e nas suas promessas.

 

Depois de bastante tempo nessa caminhada, agora já adulta, estava mais uma vez naquele projeto perto da minha casa, onde, quando criança, fui durante tantos dias para falar sobre as minhas dores. A Carmem já tinha ido embora há alguns anos, mas uma outra missionária brasileira veio para ajudar e contar histórias para as crianças. Ela começou a contar uma história usando algumas figuras e eu comecei a chorar na hora.

 

Eu já tinha visto aquelas figuras antes! Eu as vi quando era uma criança com problemas de inferioridade, abandono e confiança. Foi com elas que conheci Jesus. Mas agora, anos depois, via aquelas mesmas figuras em uma posição totalmente diferente: me tornei professora das crianças do projeto e, da porta da sala, podia vê-las sendo impactadas como eu havia sido. Agora via de fora algo que, há anos atrás, aconteceu dentro de mim, tudo através daquela mesma Bolsa Verde.

 

Cristo entrou em minha vida e transformou minha alma triste em uma alma alegre; uma menina que não tinha gosto pela vida, em uma mulher que ama viver e usa sua vida para abençoar outros. Hoje eu sou a única da minha família que terminou a universidade e que está firme no Senhor. Sou professora e missionária, lidero o grupo de jovens da minha igreja, tenho vários trabalhos de evangelismo e de discipulado, terminei recentemente um curso de missões urbanas para continuar servindo melhor a Deus no meu país. O meu passado ficou para trás, hoje sei que o que realmente importa é como vamos terminar, não como começamos, porque o mais importante na nossa vida é terminar vivendo com Ele e para Ele.

 

Quando criança, eu achei que ninguém se importava comigo, mas estava enganada. Um dia, escutando histórias que saíam como mágica de dentro de uma Bolsa Verde, eu fiz uma escolha que me deu um futuro que eu pensava ser impossível. Eu escolhi a Deus, eu escolhi ser feliz!


Escritar por Beatriz Bastos.