fbpx

Blog

Dando Voz aos Adolescentes na Pandemia

A pandemia pelo novo Coronavírus tem provocando mudanças consideráveis na nossa sociedade de maneira global, sobretudo decorrente da necessidade do isolamento social, para a redução da proliferação do vírus. Esse é, sem dúvida, um tempo de muitas incertezas, temores e prudência, dado ao número de contaminados e perdas de mais de 1 milhão de vidas no mundo.

 

Querendo ouvir o que estão pensando e sentindo os adolescentes nesse tempo de pandemia fizemos uma conversa individual com 4 deles, de 3 países: Brasil, Venezuela e El Salvador. Eles têm idade entre 13 e 17 anos. Suas respostas nos surpreenderam, e pudemos compreender um pouco como a pandemia tem afetado seus sentimentos, relacionamentos familiares e de amizade, rotina, vida escolar e seus pensamentos quanto ao futuro. Você pode acompanhar as conslucões como nas respostas de *I.M. que descreveu seus sentimentos de forma bem direta ao ser perguntada sobre seu pensamento em relação ao tempo de pandemia:

Quando penso nesse tempo de pandemia sinto um desespero e ansiedade. Como se eu estivesse parada por muito tempo sem poder fazer nada. Minha rotina tem sido normal, porém mais cansativa. Tenho estudado mais durante o dia do que qualquer outra coisa… Acredito que o que mais mudou foi a minha disposição e determinação. Achei que seria mais complicado (ficar dentro de casa com a minha família). De vez em quando ocorrem alguns desentendimentos, mas são resolvidos rapidamente. Quando penso sobre o futuro, acho que é algo muito incerto mas sinto que vai ser totalmente diferente e mais corrido que antes. Acredito também que as pessoas estarão mais amáveis e calorosas.

Os adolescentes também relataram seus sentimentos de tristeza e estranheza em relação as suas atividades eclesiásticas e relacionamentos sem toque com os amigos. *T.C. disse estar “um pouco triste, porque não estamos indo à igreja como antes.” Mesmo assim, demosntra esperança ao declarar saber que “Deus tem uma saída pra nós.”

Quanto a ter notícias dos amigos, eu tenho contato com eles pelo celular. Às vezes eu desço do prédio e encontro duas amigas e ficamos conversando. Na igreja também os vejo. No começo foi estranho, por causa da máscara, depois foi bom, mesmo não podendo tocar. – afirma I.M.

Outro grande impacto descrito pelos adolescentes foi em relação a educação e o processo de aprendizado. Aos 17 anos, *G.M. tinha grandes expectativas para o ano escolar:

Quando penso nesse tempo de pandemia… é uma confusão de sentimentos, estou no meu último ano do Ensino Médio e com a pandemia todos os meus planos, que foram pensados desde o 7° ano, de viver o melhor ano escolar da minha vida, foram pelo ralo, então é meio frustrante… mas ao mesmo tempo ela me proporcionou um autoconhecimento que nunca teria alcançado se estivesse na rotina normal, e por isso talvez gratidão me defina. Estou tendo aula por meio de um aplicativo. Temos tido aula em horário normal (07h30 as 12h50). Tem sido horrível! (risos) Raramente consigo pegar o horário das aulas e acabo focando nas que foram gravadas pelos professores e nas atividades que eles mandam.

A resiliência encontrada nas falas dos adolescentes entrevistados também nos motivou a crer na esperança de novos tempos. *R.P. crê que a pandemia irá trazer “uma sociedade completamente diferente, pensando de maneira diferente.”

Quando penso no futuro sinto… Medo e uma pitada de ânimo, o mundo está meio que de cabeça para baixo, pensar no mercado de trabalho, faculdade, finanças e saúde mental enquanto tudo isso acontece é mega desesperador. Mas, ainda assim fico na esperança de que tudo vai melhorar e as coisas vão acontecer da melhor forma para mim! Está tudo incerto, mas há esperança, as cores mostram a esperança.

Declara I.M., que descreveu seu sentimento com o desenho feito por ela e que ilustra este relato: “Esse desenho é como se fosse uma pessoa que durante esse tempo passou por coisas difíceis e não conseguiu se reerguer ou lidar com isso. Mas as outras pessoas passam coisas boas, assim preenchendo o vazio com apenas um toque (que ainda não é possível cumprir). Acho que é isso.” – finaliza.

 

Foi uma experiência muito enriquecedora escutar os adolescentes. Eles se sentiram muito valorizados em saber que alguém estava interessando em ouvir o que pensavam e sentiam, ressaltando que de fato, não é uma atividade comum, quanto é necessária. Mesmo sendo de três realidades culturais diferentes, observamos que eles têm sentimentos e pensamentos muito semelhantes quando expressam o que tem vivido durante pandemia.

 

Animamos aos que lerem esse relato, que escutem os adolescentes de sua família ou os que estejam próximos, não somente em tempo de pandemia. Se tivermos a sensibilidade necessária, poderemos escutar com empatia o coração de cada adolescente e entender seus sentimentos, oferecer apoio aos que necessitam e também apreciar seu olhar sobre a vida, o mundo e sobre o futuro.

Esse relato é baseado no material apresentado no curso Sociologia da Criança, ministrado pelo Professora Dra. Silvana Bezerra Magalhães, como curso de extensão do CEFET, cujo grupo foi formado por: Carmen Ligia Ferreira de Andrade – Multiplicadora do Projeto Calçada, Cleisse Denise Ferreira de Andrade – Coordenadora do Projeto Calçada na América Latina  e Luciana Falcão da Silva – Coordenadora do Projetro Calçada no Brasil.

 

* I.M., mora em São Gonçalo/RJ, gênero feminino, religião cristã, pais divorciados. Mora com a mãe e seu esposo. O pai possui dois cursos superiores e a mãe possui o superior incompleto.

 

* T.C., 13 anos, vive em Acarigua, Venezuela. É do gênero feminino, religião cristã e tem o pai e a mã pós-graduando.

 

* R.P., vive em Ahuachapan, El Salvador. É do gênero masculino, religião cristã e tem o pai preso por violência doméstica e uso de drogas. A mãe é dependente química e os abandonou. Atualmente, ele mora com a tia, que possui curso superior.

 

*G.M., 17 anos, mora em São Gonçalo/RJ. Gênero feminino, religião cristã, pais divorciados, mas mora com a mãe e seu esposo. O pai possui dois cursos superiores e a mãe o superior incompleto.