fbpx

Blog

Semana Nacional de Prevenção da Gestação na Adolescência.

Como podemos trabalhar a prevenção da gravidez na adolescência?

Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência. 

E como podemos trabalhar a prevenção da gravidez na adolescência? – Introduzindo uma reflexão sobre possibilidades de práticas preventivas nessa temática.

 

A Lei N° 13.798, de 03 de janeiro de 2019, considera a semana que inclua o dia primeiro de fevereiro como a Semana Nacional de Prevenção da Gestação na Adolescência. Assim, esse texto tem como objetivo introduzirmos, juntamente com o leitor, uma breve reflexão sobre a Prevenção Primária de mais essa complexa e crescente problemática de Saúde Pública, a nível Nacional – Gravidez na Adolescência.

 

Em nosso imenso território brasileiro a Gravidez na Adolescência encontra-se presente em uma variedade de contextos sociais, econômicos, culturais, familiares, individuais e, consequentemente com demandas e repercussões que requerem uma avaliação detalhada, contextualizada, ampliada e especifica, comunitária e singular, em se tratando de propor prevenção nesse tema. Contudo, é fundamental construir, planejar e avaliar conjuntamente com cada público alvo à prevenção da incidência de agravamentos na Saúde de Crianças e Adolescentes, em especial, à Gestação na Adolescência.

 

Importa enfatizar que aqui estamos diante de uma sobreposição de complexidades: Adolescência (s) e Gravidez na Adolescência (s). Portanto, trabalhar esses temas (Adolescência e Gravidez), e com o público alvo de protagonistas em diversos cenários, é preciso atentar para vários aspectos de extrema relevância na diversidade e singularidade de cada gestante, do casal gestante, da (s) família (s). Assim sendo, desafios pensáveis e inimagináveis podem permear uma proposta de orientação com vistas à Prevenção da Gravidez na Adolescência. Contudo, é gratificante, enquanto despertar e acender de luzes em mais um ponto extremamente relevante à Saúde Integral e à Política de Proteção de Crianças e adolescentes.

 

Pensar e trabalhar à prevenção da Gravidez na Adolescência é imprescindível incluir vários outros temas
correlacionados, a exemplo: Adolescência, Puberdade, Sexualidade, Educação para Sexualidade Saudável, Saúde Sexual, Família e Sexualidade, Mitos e Tabus sobre Educação Sexual, Saúde e Planejamento Familiar, Contracepção e Métodos Contraceptivos, Saúde da Gestante, Maternidade e Paternidade, Infecções Sexualmente Transmissíveis, Saúde Mental, Sonhos e Projeto de vida, Gestação e Pré-natal, Abstinência do Uso de Álcool e Outra Drogas na Gravidez – Prevenção da Síndrome Alcoólica Fetal (SAF), Saúde Fetal e do Recém-nato, Parto, Pós-parto, Prevenção de Reincidência da Gestação na Adolescência, e inúmeros recortes e desdobramentos que podem surgir ao abordar a prevenção individualmente, ou em grupo com os adolescentes, famílias e educadores.

 

Importa também a atenção a aspectos, elementares nos trabalhos de prevenção, como por exemplo:

-Qual o Nível de Prevenção?

-Qual o público (com adolescentes, com pais e/ou responsáveis, com educadores?)

-Como vamos trabalhar (individual, grupo)?

-Quais questões, ou outros temas, o grupo prioriza e propõe dialogar?

 

E muitas outras questões que cada pessoa, grupo ou proposta especifica vai requerer no planejamento, na implantação, implementação e desenvolvimento de uma proposta preventiva contextualizada aos seus específicos protagonistas e contextos.

 

Neste texto, elegemos como grupo de prevenção pais e/ou responsáveis e educadores. E, a partir de casos relatados nas ministrações de cursos, palestras, encontros, seminários e atendimentos clínicos procuramos destacar alguns pontos relevantes ao aqui proposto – Introduzir reflexão sobre Prevenção Primária da Gravidez na Adolescência.

“Na minha casa era proibido falar de sexo. Minha irmã mais velha ficou grávida na adolescência, foi tudo muito triste. Meu pai bateu muito nela, ela saiu de casa. Ele falava gritando: por causa da safadeza dela, ela ficou grávida e você vai fazer também?”

 

“Ninguém me falava dessas coisas, e ainda criança comecei a ter sexo. Era assim mesmo na minha casa,
com minha bisa, com minha avó e minha mãe. Fiquei grávida antes de ver minha primeira menstruação.”

 

“Quando tive minha primeira filha, eu tinha quatorze anos. Na minha primeira relação sexual, com meu
colega de escola, fiquei grávida. Ele falou que não estava preparado para ser pai, fiquei com minha filha.
Minha família me apoiou, mas a responsabilidade de cuidar era minha. Eu era uma criança cuidando de
outra. Parei os estudos, sonhos mudaram.”

 

“Eu sou tia, ela tem 13 anos, pouco tempo que veio de outro estado para morar comigo, e agora tem uma
dor na barriga que não melhora com os remédios.” Ao exame da obstetra: abdome compatível com
gestação no sétimo mês. Quanta dor, quanto sofrimento vimos naquela história e consulta.

A partir dos exemplos acima citados, e pelas particularidades, ainda que sumariamente descritos, muito podemos refletir, dialogar e aprender sobre como sendo um pai, uma mãe, um responsável, um educador podemos fazer diferente, promovendo proteção e prevenção? Como agir de maneira saudável, humana, respeitosa para com uma criança, um adolescente promovendo à Prevenção da Gravidez na Adolescência?

 
Para o alcance desses desafios, aos pais e educadores destacamos:
-A prevenção da gestação na adolescência não é um fenômeno que acontece de repente, ou quando inicia
o aparecimento dos sinais de início da puberdade. Ela pode estar inserida, fazer parte da educação para o
crescimento e desenvolvimento saudável da pessoa (meninas e meninos).

-Assim, naturalmente inclusa nos processos de Educação, Orientação Sexual, e especificamente abordada, reforçada, evidenciada, sempre que se avaliar necessário nos ambientes socioeducativos, em especial, nas famílias.

-A educação sexual deve ser iniciada nos primeiros anos de vida da criança e continuar durante todo processo de crescimento, desenvolvimento pessoal.

-Nenhum ambiente atuando sozinho (família, escola, espaços a serviço da criança e do adolescente) promove isoladamente a educação sexual e prevenção do tema em foco.

-Pais, educadores, instituições sociais e educacionais integram setores e intersetores responsáveis por esse processo.

 

Como então enfatizamos, a Prevenção da Gravidez na Adolescência e sua reincidência significa muito mais do que uma simples informação ou instrução a respeito dos fenômenos de reprodução humana (aspectos anatômicos, biológicos e fisiológicos) e gravidez. Significa um processo progressivo de orientação, referência, vínculo, respeito, afetividade, empatia, diálogo, escuta, etc. Assim como, de informação, contextualização social, cultural, individual, familiar, coletiva e comunitária – Uma questão de Saúde Púbica e de Proteção da Infância e Adolescência. Prevenção – MELHOR OPÇÃO!

 


Joseana de Oliveira Menezes Galvão – Médica com Pós-Graduação em Sexualidade,
Terapia Familiar Sistêmica, Problemas Relacionados ao Uso de Álcool e Outras Drogas, capacitadora do
programa Claves Brasil, e membro do conselho consultivo da Associação Lifewords Brasil.